ELDO POP (Hard & Prog Rock)

1973  -  Setembro/1978  (Rio de Janeiro - RJ)

 

 

Uma rádio que, se voltasse ao ar hoje, tocando as mesmas músicas de 40 anos atrás, ainda estaria 100 anos na frente das outras.


 
       

UM POUCO SOBRE A ELDOPOP...

 

Há algum tempo, a página da Eldopop vem recebendo visitas de roqueiros que não a ouviram. Para mim, isto é uma grande surpresa, pois, quando ela foi criada, achei que nem mesmo os ex-ouvintes apareceriam por aqui, afinal a vida mudou muito, em relação àquela época... Para quem não ouviu a rádio, vou tentar passar uma ideia sobre ela. Parte do texto, a seguir, postei no fórum Sound Chaser, em 2004 ou 2005.

    

As músicas que constam na lista alfabética (disponível neste site) não eram de um programa especial da Eldo, como alguns não-ouvintes acham: elas tocavam durante toda a programação normal, de 19 horas diárias (de 07:00h da manhã, até 02:00h da madrugada). Aliás, eram quase 19 horas de muito som, todo dia, pois não havia locução ao vivo e eram raros os comerciais e as notícias. As músicas eram gravadas em fitas de rolo, formatadas em "sequências", e havia fitas com 2, 3, 4, 5 e até 6 músicas. À medida em que os novos ouvintes iam se habituando à rádio, percebiam que, após a música X, sempre tocava a música Y. Isto eram as sequências. Havia, também, o que chamo "sequência de uma música só": eram aquelas músicas com mais de 15 minutos, muitas vezes tomando o lado inteiro do LP, e que não eram emendadas com outras (tocavam sozinhas).

Pelo que me lembro, a coisa funcionava mais ou menos assim: vinheta + 1 ou 2 curtas notícias pré-gravadas + 1 propaganda + 2 sequências (entre 12 e 25 minutos, cada uma); depois, recomeçava: vinheta, etc... Diariamente, entre 20:00 e 21:00h, tocava apenas MPB; mas, era aquela menos popular, que não se ouvia em outras rádios. Depois, vinha o sonzão tipicamente noturno da Eldo, com muitas músicas/sequências "viajantes", que só tocavam naquele horário.

Acontece que naquele paraíso musical havia um problema: as músicas não eram identificadas; as sequências eram jogadas no ar sem identidade, sabe-se lá a verdadeira razão. Então, milhares de adolescentes que pouco sabiam sobre Rock & Roll e que não tinham como informar-se sobre o que acontecia "lá fora" (EUA e Europa eram pra lá do fim do mundo...), começaram a gravar fitas e mais fitas com as músicas da Eldo. Cada um dava o seu jeito para rotulá-las. Eu, por exemplo, tenho fitas K7 onde se lê: "música do carro", "aquela do órgão", "piano e gaita", etc. Só após alguns anos, descobri que a "música do carro" é "Autobahn", do Kraftwerk, e dificuldades semelhantes enfrentaram os outros ouvintes. Muitas músicas que estão gravadas nas fitas ou nas memórias, continuam desconhecidas até hoje. E, como a maioria dos ouvintes não deixou de gostar delas, a esperança de conseguir identificá-las, um dia, nunca nos abandonou.

Quem não tinha (ou perdeu seus) registros em fitas (elas começaram a estragar, com o tempo) tentava descobrir as músicas por meio de perguntas como: "Conhece aquela com flauta, que tocava antes daquela outra, com solo de bateria?". Ou, então, deixando de lado o constrangimento, tentava-se cantar parte da música ou, pior ainda, emitir ruídos diversos para caracterizar solos de guitarra, etc. Não era mole...

A primeira lista de sequências, divulgada na internet no final da década de 90, foi uma grande ajuda para os órfãos da Eldo. Ela contribuiu para que muita gente conseguisse identificar suas músicas favoritas (fui um dos beneficiados). Contudo, como nela havia erros, que podem ter impedido muitas identificações, foi (e continua sendo) feito um trabalho de correção e ampliação, denominado "Nova Lista de Sequências". Sua missão é tentar fazer com que o número de músicas desconhecidas, nas fitas e nas memórias dos ex-ouvintes, diminua ainda mais.

A lista com as sequências possibilita que, aquele que hoje em dia sabe que a sua música favorita, e ainda desconhecida, tocava depois de, por exemplo, "High", do Eric Clapton, procure por esta na lista e descubra que, após ela, tocava "The Four Horsemen", do Aphrodite's Child. Pronto! Fim da longa busca! Nesta hora, o mais durão dos ex-ouvintes chora feito criança e só mesmo outros ex-ouvintes conseguem entender o motivo...

O grande drama, realmente, era a ansiedade por ouvir tantas músicas legais e saber nada sobre elas. Muita gente ligava para a Eldo, perguntando qual era o som que estava tocando, naquele momento. Há quem diga que era bem atendido e recebia a informação desejada; no entanto, também há quem reclame que seus pedidos desesperados eram solenemente ignorados... Não posso confirmar se a diretriz da rádio era esconder o jogo ou não, porque nunca liguei para lá. O que hoje parece evidente, é que a grande maioria dos ouvintes desconhecia informações sobre, talvez, 90% da programação.

Com o passar dos anos, o capitalismo selvagem foi ficando cada vez mais selvagem e aquele esquema de apenas uma propaganda paga, a cada 30, 40 ou 50 minutos, começou a ficar comercialmente desinteressante. Dizem que também havia pressões de outros segmentos da sociedade, para acabar com a rádio, porque ela promoveria a alienação da juventude, divulgando a cultura estrangeira (novamente, não posso confirmar). Para piorar, em 1977 o comandante da Eldopop (Big Boy) faleceu e, a partir de então, o sonho começou a acabar (ou o navio começou a naufragar).

No domingo, 24 de setembro de 1978, o progressivo rolava como sempre, em 98,1MHz. Contudo, na manhã seguinte (segunda-feira, 25 de setembro de 1978), os ouvintes levaram um grande susto: uma voz masculina e desconhecida estava ao vivo no ar, as músicas não eram as habituais e os intervalos para propagandas pagas tinham aumentado muito. A Eldo já não era mais a mesma, pois tinha virado "Rádio 98 FM", emissora preparada para encarar os novos tempos e que existe até hoje. Uns poucos souberam antecipadamente e não foram pegos de surpresa; mas, a maioria viu desmoronar o mundo à sua volta... Me lembro que, durante semanas, a primeira coisa que fazia quando chegava da escola, lá pelas 13 horas, era ir correndo ligar o rádio, na esperança de que a velha Eldo estivesse de volta (não telefonei para lá e não tinha informação alguma). Pelo conteúdo de algumas mensagens postadas no Livro de Visitas, dá para perceber que o desespero foi generalizado. Depois que a poeira assentou, os ex-ouvintes passaram a se denominar "náufragos", "órfãos" e outros apelidos equivalentes, pois a sensação de abandono era forte e perdurou por muito tempo.

Então, é isto. A Eldopop acabou, não volta mais e a probabilidade de que apareça outra semelhante (por ondas de rádio) para mim é zero. Em 2006, uma tentativa de ressuscitá-la, na web, acabou não vingando, por motivos comerciais. Quem quer, hoje em dia, ouvir o inigualável rock da década de 70, tem que suar a camisa...

 

(O texto acima foi publicado em 2007).

 

 

P.S.1: Após a disseminação dos blogs que disponibilizam discos em mp3, na web, os roqueiros setentistas ficaram com as vidas menos difíceis...

 

P.S.2: Atualmente (2012), a segunda versão da Eldo-web está viva e online, no endereço informado na página inicial deste sítio.

 

Uma ideia antiga está sendo parcialmente implementada agora (parcialmente, devido à limitação de espaço neste provedor gratuito). Acho que poderia ser chamada de "Muro das Lamentações", pelos náufragos mais saudosistas. Enfim, depois do pacote com as vinhetas, disponível aqui na página, chegou a vez de uma sequência completa (digitalizada pelo colaborador "Apenas Contribuindo"), com as mixagens originais, e mais um outro pacote, com algumas notícias e propagandas veiculadas na Eldo (tudo começando com vinhetas da rádio, para confirmar a procedência).

 

Vinheta + Sequência 020 (arquivo MP3, 10MB)

 

Vinhetas + notícias + propagandas (arquivo RAR, 1MB)

 

Finalizando, clique aqui, para baixar um trecho de música, registrada em fita, que gravei na época em que as lágrimas ainda encharcavam o chão... Uma piada, que só vai entender quem conhece o caminho que seguiu a emissora da frequência 98,1MHz e cujo slogan é (ou já foi) "Rádio 98 é só sucesso".

 

P.S.3: Raramente me refiro ao criador, aos programadores e aos bastidores da Eldo, pois naquela época não cogitava sobre isto. Na verdade, não sabia que a rádio tinha criador, programadores, estúdio e telefone. Não tinha colegas que fossem ouvintes fiéis como eu; então, mesmo se me interessasse por tais assuntos, não teria com quem compartilhá-los. A única coisa que sabia era que, na posição 98.1 do dial, havia uma rádio conhecida como "Eldopop", que era a melhor...

 

ProgRock.